terça-feira, 25 de novembro de 2008

Mais um pouco sobre adoração...



Domingo que vem é dia da minha equipe tocar no culto. Fica sob mim a responsabilidade de escolher as músicas que vamos tocar. Quantas e quantas vezes fiz essa escolha, a das músicas, mas confesso que essa semana estou me sentido diferente em relação a isso. Algo me incomoda, e tenho pensado muito sobre esse lance todo de música, cantar, adoração, louvor. Na verdade ontem ao deitar perguntei a Deus: "o que você quer que a gente cante prá você no domingo?". Ainda estou esperando a resposta...

Mas algumas idéias estão me vindo á mente. Estou começando a pensar seriamente nesse lance de ficar repetindo músicas só porque estão na moda (ou na mídia). Músicas são expressão de louvor, certo? Então deveriam fluir espontaneamente do nosso coração, como algo natural. Não deveríamos ficar copiando o que os outros estão cantando, e até mesmo os falsetes da voz da ilustre irmã!

Imagine que você está numa sala conversando com Deus (é isso que acontece na hora dos cânticos a Igreja). Imagine que todas as vezes que você se aproxima dele e diz que vai cantar algo prá lhe engrandecer, você sempre fala as mesmas coisas (músicas). E o pior, todas as vezes que nos achegamos a Ele prá cantar, copiamos os trejeitos, suspiros e tudo o mais dos outros que já vieram antes! Será que Ele não se cansa disso? É prá se pensar...

Estou pensando nessa dinâmica toda da música de adoração. Ela deveria surgir de uma experiência pessoal e única do adorador. São palavras em forma de melodia que exaltam a Deus por algo pelo qual o adorador passou. Sendo assim, as músicas de adoração deveriam ser tão diferentes quanto as nossas impressões digitais. Cada Igreja deveria cantar aquilo que Deus está fazendo em seu meio, naquele momento. A escolha das músicas deveria se dar por esse critério, e não pelo modismo, ou pelo ritmo (hit?) do momento. Isso tem me incomodado.

É por isso talvez que a nossa adoração em forma de música no momento do culto seja algo tão superficial e tão emotivo... estamos mais preocupados com a performance da equipe e a aceitação da platéia do que com Aquele que está sentado no trono nos ouvindo.

O que será que Deus quer ouvir das nossas bocas? Não que a gente agora vá abandonar as músicas que cantamos a tempos, não! Mas devemos fazer uma releitura de coração prá cantarmos sempre um "cântico novo" ao Senhor! E que tal estimularmos as composições, as novas melodias? Lembro com muito carinho quando pedi a um amigo, o Juninho, que compusesse uma música para uma conferência missionária da nossa Igreja. Lembro-me que enquanto pregava, lá estava o habilidoso compositor rabiscando algo num papel qualquer. Ao final do culto ele me procurou e disse que havia composto um cântico que era uma oração muito bonita sobre Missões!

Mas ainda continuo com essa dúvida cruel: o que será que Deus quer ouvir das nossas bocas domingo? Experimente fazer essa pergunta você também ( e se tiver uma resposta, me ajude, ok?).

Maurício "em busca da resposta" Boehme

5 comentários:

Josimar G. da Rocha disse...

Bom em primeiro lugar temos que constantemente estar atento ao que Deus quer de nós.
É complicadado separar o que eu quero ouvir do que Deus quer falar,principalmente na questão musical.
E levando esta duvida do que Deus quer falar para a pregação reconheço que preciso muito ouvir Deus falar.
Quantas vezes a nossa mensagem é a "nossa mensagem" e não aquilo que Deus quer falar comigo. Mas é algo que ue quero ouvir de Dele.
j. G. da Rocha

Paulo disse...

Cara, interessante, li seu post (ele tá viajando) por aí.. no blog do Thiago Mendanha (http://thiagomendanha.blogspot.com/2008/11/mais-um-pouco-sobre-adorao.html).

Eu tô motivado agora a escrever sobre adoração alternativa e música secular, ou seja, buscar a revelação de Deus, que é hiper criativo, na música que rola nas rádios do Brasilzão.

Como você, mas nem tanto, mexi com o louvor na minha igreja e queria enfiar hillsong nela. hoje minha concepção de adoração mudou muito.

Bom o resto da história a gente vê em www.mangachurch.blogspot.com

Uns Livrinhos malucos que me ajudam a compreender essa história são:

A Jornada espiritual do U2 (editora w4)

Adoração ou Show? (Ed. Vida)

Repensando a Igreja, Rob Bell (Ed. vida)

Cristianismo Pagão (disponível no meu blog)

e "Emerging churches" ( que eu ainda to lendo, tem só em inglês.

Pra não assustar tano, o Matt redman (autor da 'essência da adoração e muitas outras que são top de linha em adoração) diz que uma vez Deus inspirou ele a cantar uma Música do michael Jackson na adoração, e conta que dois garotos que estavam na igreja só sabiam cantar aquela música e só assim puderam se conectar com Deus no louvor .. etc .etc..

Whaner disse...

Fala, cara. Belezinha?

Tomei a liberdade e publiquei seu texto no Portal Cristianismo Criativo (www.CristianismoCriativo.com.br)
Espero que não haja problema...
Se quiser mandar um mini-curriculum teu, eu agrego ao texto.

Abraço.

PS. Agradeço ao Paulo por indicar o livro Walk On... 8-)

Cerestino disse...

olá Maurício.

tenho a exata mesma pergunta sua.

e acho que mais, tenho me perguntado se realmente Deus alguma vez pediu que cantássemos "pra Ele". Claro vc pode me citar inúmeros versículos, do tipo "cantem ao Senhor" mas não digo nesse sentido. Porque só consideramos que fazemos algo pra Ele quando fazemos algo explicitamente religioso? Não só na música sabe... enfim, se quizeres prolongar esse papo, tá aki meu email: young_prophet@hotmail.com

abraços.

bocadedeus disse...

Fantástico texto.

Mas porque tanto tempo sem atualizar o blog?

Abraços