quinta-feira, 20 de novembro de 2008

O Certo é Fazer o Certo


Á Procura da Felicidade. O filme não é novo, mas também não é velho. Passou de novo na TV por assinatura e eu o assisti mais uma vez. Toda a jornada da personagem vivida por Will Smith e seu filho me fizeram repensar em muitas situações que já vivi e sei que viverei. Mas a grande lição que tiro do filme é a lição espiritual.

Vejo claramente no filme a figura da “fidelidade” incondicional. O pai do filme não abre mão das suas convicções e princípios, mesmo passando por situações onde muitos o fariam! Dormir no banheiro do metrô, lutar por uma vaga na fila do albergue da Igreja, perder suas malas, ficar sem comer prá alimentar o filho... tudo isso foi dificílimo! Talvez pai e filho pudessem ter trilhado um caminho mais curto, ou como já dizia o velho Janires, “atalhar”; mas não, eles preferiram o caminho certo.Tenho aprendido que o certo é FAZER O CERTO!

Vejo hoje em dia que as convicções estão ficando de lado cada vez mais por um preço muito pequeno. Nos vendemos por nada, e trocamos a fidelidade á Deus e aos seus caminhos em troca de prazeres e felicidades instantâneos e de curta duração. Como tem sido triste vera falta de seriedade e de ética que prevalece em nosso meio. Nunca tivemos um tempo de tanta facilidade em se pregar o evangelho, nunca tivemos tanta tecnologia á nossa disposição, nunca se gravou tanto cd e DVD... mas o que tem faltado é ética, justiça, seriedade... fidelidade a Deus.

O filme me faz lembrar que “quem se humilha, será exaltado”. Feliz é aquele que toma prejuízo, mas não deixa de fazer o que é certo. Vivemos num tempo em que as virtudes bíblicas estão esquecidas, em último lugar. Preocupamo-nos mais com as bênçãos, e menos com as obrigações.

O filme termina com os meus olhos cheios de lágrimas. Elas são um misto de alegria pela vitória daquele que é humilde; e um misto de tristeza e vergonha pelas vezes que decidi “dar um jeitinho”.

Deus, me perdoe por ser tão faltoso na ética do Teu Reino. Me ajude a ser uma pessoa melhor. Amém.


Maurício "á procura da felicidade" Boehme.

Nenhum comentário: