sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

A história que quase ninguém conta... o "Jesus Movement"



Por volta de 1967 aconteceu nos Estados Unidos algo impressionante. Parece que Deus decidiu que iria visitar o pessoal de uma maneira diferente. O que se deu a partir daquela época nos afeta até hoje, um grande movimento de fé e salvação que poucas pessoas ouviram falar (pelo menos no nosso meio), o "Jesus Movement" (ou, "movimento de Jesus). Longe de mim querer decifrar teologicamente o que aconteceu; apenas quero compartilhar com vocês algo que descobri e tem me feito repensar o que é fé, igreja, pregação e tudo o mais...


O Jesus Movement teve início na Califórnia e foi se espalhando por várias cidades, faculdades; onde havia jovens essa onda foi se espalhando através da música, das artes e dos esportes. Havia nessa época o movimento hippie, a rebeldia, a “contra-cultura”. Era a época das drogas, das “viagens espirituais”, a época de Aquários. Tudo isso colaborou para que essa sede pelo radical, pelo novo e pelo sobrenatural brotasse no coração da moçada.

As Igrejas tradicionais não conseguiam absorver essa geração de malucos, e por isso criou-se todo um pano de fundo propício para que o Evangelho fosse pregado de maneiras “alternativas”, com o surgimento dos grupos caseiros, pregações nas praias e nas quadras esportivas. Os pastores relutavam em receber em seus templos jovens cabeludos, fumando, com aquelas músicas esquisitas. Alguns poucos pastores tiveram a coragem de romper esse preconceito e apoiar o ministério entre os “malucos”.

Muitas comunidades “underground” foram surgindo para absorver as novas conversões desse pessoal esquisito. Surgiu a fusão do rock e a música gospel (sacra) e vários jornais (tipo os fanzines que os fã-clubes editavam) eram publicados para atingir a galera. Esses foram instrumentos poderosos para o avivamento que se espalhava. É verdade que muitas comunidades radicais e heréticas surgiram junto com esse movimento todo, mas a maioria foi de algo saudável e bíblico.

Somente em 1970 a mídia americana notou a existência desse movimento, e os jovens eram chamados de “Jesus Freaks” (Loucos de Jesus). As redes de televisão começaram a notar que se tratava realmente de um “movimento”, e começaram a divulgar os grandes batismos feitos nas praias, as enormes reuniões de oração e os festivais de música cristã. Importantes veículos de comunicação como as revistas Time, Newsweek, Life eRolling Stone registraram esses eventos. Dentre tantos, “Jesus Movement” era um dos fenômenos sociais mais notáveis da década de 60/70.

Com o final da guerra do Vietnã, os ideais de paz e amor chegavam ao fim. Todo o idealismo de uma época também começava a dar sinais de exaustão. O “Jesus Movement” também foi murchando, até ter o seu fim no meio dos anos 70. Mas seus frutos estão aí: ministérios surgiram, igrejas foram organizadas, bandas gravaram suas músicas. Nada foi igual depois do “Jesus Movement”.

Mais á frente vou contar prá vocês a história de Lonnie Frisbee...


Maurício Boehme


3 comentários:

jojo disse...

Olá, tenho 48 anos, eu praticamente vivi neste período da Igreja tão esquecido, até mesmo dos brasileiros, pra quem viveu nos idos 70 com influência deste movimento no Brasil. Muitos presbiterianos e batistas foram influenciados pelo Jesus Movement, havia sempre um grupo de jovens em cada igreja e sempre cantávamos as músicas deste movimento traduzidas pelos Vencedores Por Cristo. Os primeiros discos deles eram traduções das músicas de Ralph Carmichael, Kurt Kaiser e do Maranatha! Music. Com a explosão gospel estes foram esquecidos. Infelizmente. Achei louvável seu relato da história não contada em português. um abraço

Marcia disse...

Estou finalizando um trabalho sobre a década de 70 e fiquei impressionada com a história do Jesus Movement, realmente foi algo que impactou e impacta gerações... Deus é criativo e se move de milhares de maneiras para salvar os perdidos, usando seu servos disponiveis ra fazer a boa obra aqui na terra.

Ótima reportagem!
bjss

Cesário Pinto disse...

Mano, vou publicar essa sua reportagem no meu blog www.cesariopinto.blogspot.com com os devidos créditos e a fonte, mas caso não permita é só me dizer que eu irei retirar.

Obrigado e um abraço!