sábado, 27 de dezembro de 2008

A história que quase ninguém conta... o "Jesus Movement" - PARTE 4


O “Jesus Movement” foi um agir soberano do Espírito Santo no meio da juventude americana na década de 60/70. Esse mover de Deus teve início de forma independente e isolada em regiões que pouco contato tinham entre si. Esses jovens experimentaram uma mudança de vida radical ao se encontrarem com Cristo. Esses jovens se reuniam nas casas, nas igrejas, nos ginásios e nas lanchonetes a fim de entenderem o que estava acontecendo e para aprender mais sobre a Bíblia e sobre Jesus.

O meio de comunicação desses jovens eram os jornais publicados pela comunidade dos “Jesus Freaks”. O mais famoso deles foi o “Hollywood Free Paper” que era distribuído nas esquinas da cidade e acabou se tornando o porta-voz do movimento.

No meio disso tudo surge uma Igreja na Califórnia, a Calvary Chappel e seu pastor Chuck Smith. Esse pastor acabou tendo a sensibilidade de querer alcançar esses jovens hippies e abriu a sua igreja prá receber essa moçada. Mais tarde ele trouxe um hippie que havia se convertido, Lonnie Frisbee, para ser seu auxiliar nessa tarefa de evangelização dos hippies. As reuniões de estudo bíblico na Calvary Chappel aconteciam ás quartas-feiras á noite, e por volta das quatro da tarde os jovens começavam a chegar, tamanha era a sede e a fome da Palavra! Essas reuniões eram recheadas de música e testemunhos. Os jovens convidavam seus amigos não salvos e havia um momento para que eles pudessem aceitar o convite de entrega de suas vidas a Cristo. O movimento de jovens cabeludos e vestidos de maneira estranha era tal que a polícia frequentemente ficava nas redondezas da igreja.
O que fazer com essa moçada que dia a dia ia sendo acrescentada á Igreja? Conforme o movimento todo ia aumentando, a mídia publicava o vertiginoso crescimento e isso atraía mais pessoas ainda. Uma das soluções foi organizar pequenos grupos caseiros, onde esse pessoal se reunia quase que diariamente. Uma das situações mais emocionantes de tudo isso eram os batismos na praia. Os “malucos” saiam pregando o evangelho aos surfistas e banhistas e os batizavam ali mesmo, no melhor estilo “João Batista”!

2 comentários:

Anônimo disse...

Interessante. Confesso que desconhecia este movimento.

SJ - Rensa disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.