quarta-feira, 25 de março de 2009

Metas, objetivos, propósitos.


Metas. Objetivos. Propósitos. Alcançar, superar. Vender, divulgar. Cada vez mais, mais e mais! Trabalho em um grande banco e esses são vocábulos com os quais convivo diariamente. As cobranças são enormes, e nos fazem produzir para gerar resultados. Isso é bom, faz com que não nos acomodemos. A pressão é uma boa professora, pois faz a criatividade aflorar para darmos conta do recado. Recentemente a nossa liderança (pelo menos eu os considero assim) nos "cobrou" por mais resultados, e isso gerou uma expectativa na turma toda. Será que conseguiremos? Eu tenho certeza que sim...

Após o trabalho, voltando para casa, pensei sobre outras metas. Outras cobranças, outras responsabilidades. Outra liderança esperando resultados que nem sempre são cumpridos. São as metas do Reino de Deus! Quantas vidas transformadas, discipuladas? Como tem sido o nosso desempenho no amor, nas virtudes, nas boas práticas? Quanto de perdão, de reconciliação? Qual a porcentagem de transformação de vida, de abandono dos vícios? Em quanto o Reino cresceu em nosso coração, de uma forma prática? É de se pensar.

Penso que um dia me achegarei diante de Deus, e darei conta de tudo o que fiz (ou deixei de fazer) nessa terra. Preciso me conscientizar disso, urgentemente! Preciso me esforçar para bater e cumprir diariamente as metas do Reino, expandindo o reinado de Cristo nos corações humanos, com qualidade e quantidade!

"O vencedor herdará estas coisas, e eu lhe serei Deus, e ele me será filho." - Jesus Cristo, em Apocalipse 21:7


Mauricio "abaixo do esperado" Boehme

terça-feira, 24 de março de 2009

Vivo o Céu, mas com os pés no chão.


Equilíbrio. Creio ser esse o grande valor de nossas vidas. É como andar: parece fácil, corriqueiro, uma ação banal até. Nem sequer nos damos conta que somente andamos corretamente por causa do equilíbrio.

Desequilíbrio. Sabemos que ele existe quando começamos a pender de um lado para o outro e a queda se torna inevitável. O desequilíbrio pode se dar por algo interior (a famosa labirintite), ou por algo externo (álcool, medicamentos, etc).

Na vida o equilíbrio é essencial, e o desequilíbrio dispensável. O meu grande desafio tem sido viver uma vida equilibrada emocionalmente, financeiramente, espiritualmente, e todos os "mente" possíveis. Tento viver com os meus olhos lá no Céu, sabedor que sou de que o meu destino é lá; mas tento deixar os meus pés bem plantados no chão, ciente que sou da minha humanidade e minhas limitações.

Se eu viver com os olhos postos exclusivamente no Céu me tornarei fanático. Passarei a espiritualizar tudo, começando a ver anjos e demônios em todas as coisas. Corro o risco de me tornar insensível para com tudo e todos que estiverem ao meu redor, dizendo ao faminto: "Deus te abençoe", ao invés de lhe dar o pão. Perderei ricas oportunidades de interagir com o mundo e a cultura ao meu redor, deixarei de conhecer pessoas maravilhosas e não experimentarei as riquezas de viver a vida que Deus me deu na Terra que Ele criou. Como alguém que tem sua vida focada somente no Céu, todo o meu tempo fatalmente será gasto não com Deus, mas com a religião e todos os pacotes de tarifas que a acompanham. Serei desequilibrado.

Se eu viver apenas com os meus pés no chão, serei friamente calculista e sem esperança. Sim, pois do jeito que o mundo vai não há como crer que as coisas melhorarão. Tudo se reduzirá a cálculos, planos, e passarei a achar que se eu regular corretamente o GPS da minha vida, nada poderá me desviar da rota traçada. Serei o mais pobres dos mortais, achando que todo o controle está em mim. Serei mais uma vez desequilibrado...

Creio que a saída é viver o Céu, mas com os pés no chão. É olhar a vida como ela é, mas com os óculos da fé. É ver que o aquecimento global cresce, mas o fim do mundo não se dará da maneira como muitos falam. É saber que as pessoas são más, mas que existe um poder maior que pode agir em seus corações, mudando seus atos. E assim eu vou... vivo o Céu, mas com os pés no chão! Busco em Deus e na sua Palavra o equilíbrio necessário para a vida. Sei que somente Ele pode me dar o prumo necessário, traçar a linha reta e me fazer andar corretamente.

Maurício "o equilibrista" Boehme.

Esse post foi escrito ao som do Dunga, "Compaixão", cujo refrão diz: "vivo o Céu, porém com os pés no chão...".

sábado, 21 de março de 2009

Se a moda pega...

99 Maneiras de se matar uma idéia


1. Isso não me entusiasma nem um pouco.
2. Ninguém vai comprar isso!
3. A gente já tentou isso antes e não funcionou.
4. Isso não se adapta ao nosso sistema.
5. E quem é que vai fazer?
6. Isso vai custar uma grana!
7. O diretor não vai gostar…
8. Não está de acordo com nossos padrões.
9. Nós estamos preparados para fazer isso?
10. Pelo amor de Deus!
11. Foi isso que você quis dizer, no duro mesmo?
12. Não se mexe em time que está ganhando.
13. Ah, mas o computador não vai conseguir processar!
14. Isso não faz parte da nossa imagem.
15. Não é do nosso jeito.
16. É simples demais!
17. É complicado demais!
18. Mas até que ponto isso é válido?
19. Não vai dar tempo de fazer.
20. O que é que o pessoal vai dizer em Juquiá?
21. Não é a nossa…
22. A gente está encompridando demais.
23. O último que apareceu com essa idéia não está mais aqui.
24. Boa idéia, mas implica em alguns custos.
25. Isso é uma bobagem!
26. O que é que isso tem de novo? E daí?
27. Espere só até a gente ver quanto custa.
28. A gente nunca fez nada igual a isso.
29. Alguém já fez alguma coisa igual?
30. Você sabe que a gente está numa bruta recessão!
31. De cara, eu não gosto.
32. Você deve estar brincando!
33. Eu ligo prá você depois, tá?
34. Ninguém vai dar bola prá isso.
35. Fica melhor assim, quer ver?
36. Desculpe, mas isso é uma droga.
37. Aargh!
38. Isso cria mais problemas do que soluções.
39. (Riso)
40. (Silêncio)
41. Essa não é sua função.
42. Isso não é trabalho seu.
43. Isso não está de acordo com o jeito que a gente faz as coisas aqui.
44. Eu já ouvi essa história antes!
45. Vamos formar um grupo de trabalho para estudar esse assunto.
46. Vamos fazer uma pesquisa…
47. Semana que vem a gente fala nisso.
48. Isso só vai trazer ‘pepinos’.
49. De onde é que você tirou isso?
50. Os ‘homens’ não vão deixar.
51. Uma má idéia.
52. Hummm…
53. Por mim tudo bem, mas…
54. Ah, realmente, era só o que faltava!
55. Eu pensei que você fosse dizer outra coisa.
56. Deixa comigo, que eu vou estudar o assunto.
57. Lembre-se que nossos clientes são muito caretas.
58. Isso vai “zuar” com nossa imagem.
59. Não é factível e pronto.
60. Vamos ser realistas…
61. Isso não é do meu departamento.
62. Não vem que não tem.
63. Tá fora de questão e ponto final.
64. Não bagunce o coreto…
65. Vamos lá, fale sério.
66. Você está realmente propondo isto?
67. Grande idéia, mas não para nós.
68. Eu tenho uma idéia melhor.
69. Todo mundo vai dizer que somos uns idiotas.
70. Todo mundo vai dizer que somos uns apressadinhos.
71. O que todo mundo vai dizer?
72. Vamos ver isto no próximo mês.
73. Estão falando nisso há anos.
74. Não vai vender…
75. Não vai funcionar…
76. Não vai emplacar…
77. Vai passar em branco…
78. Vai pisar no calo de muita gente.
79. O que é que o pessoal de cima vai dizer?
80. Deixe-me brincar de advogado do diabo.
81. As feministas vão cair matando.
82. Obviamente, você interpretou mal o problema.
83. Você pensou nisto a fundo?
84. Nós precisamos de alguma coisa mais excitante.
85. Você realmente acha que funciona?
86. Ninguém vai entender sobre o que você está falando.
87. De onde você tirou essa?
88. Este é um assunto para outra reunião.
89. Papo furado…
90. Pô, outra vez!
91. Isso resolve apenas uma parte do problema…
92. Desse jeito, nós vamos ficar na ‘merda’.
93. Prá que se esquentar com isso?
94. Tente outra vez. O caminho é esse mas…
95. Tem o outro lado da história.
96. Isso é muito tentador, mas…
97. Isso é muito interessante, mas…
98. Isso é realmente fantástico, mas…
99. Tá bom, mas…

Habladog, via Salomon

quarta-feira, 18 de março de 2009

A história por trás da "Essência da Adoração"


Se eu fosse fazer uma lista das músicas que eu mais gosto, com certeza entre essas "Top Ten" estaria "Heart of Worship" (A Essência da Adoração) de Matt Redman. É uma das que mais me toca profundamente, e cantá-la é uma oração sincera e profunda a Deus. Existe algo de especial nessa música, e acabei descobrindo o que é... ela é fruto de uma profunda experiência de vida!

O lance todo é o seguinte: essa música surgiu no final dos anos 90 na Igreja em que Matt congregava, a Soul Survivor em Watford - Inglaterra. A Igreja passava por uma fase difícil, e o pastor percebeu que o foco da equipe de louvor estava se distanciando do que deveria ser o "centro" de tudo. Prá começar o pastor resolver desligar todo o equipamento e todos os intrumentos, fazendo com que a Igreja louvasse apenas com as vozes. Imagine o impacto disso para o orgulho dos músicos desfocados... haha.


A intenção do pastor, Mike Pilavachi, era que as pessoas experimentassem ofertar algo a Deus através da adoração, e não apenas virem "consumir" música nos cultos. Apesar dessa decisão trazer certo embaraço no começo, logo o povo se acostumou a cantar á "capella", e todos experimentaram algo novo e vivo. Mais á frente o pastor devolveu os equipamentos e os instrumentos, e a equipe teve uma nova perspectiva do era realmente "adorar a Deus". Todos perceberam que era mais que música!


Além disso, Rick Warren conta no seu livro "Uma Vida com Propósitos" que Matt Redman e todos os demais músicos tiveram que encontrar um outra maneira de adorar a Deus que não fosse com a música. Alguns adoraram a Deus servindo aos pobres; outros ajudaram orfanatos; outros foram limpar a casa de alguém impossibilitado. Enfim, "se viraram nos 30"!


Esse é o pano de fundo da maravilhosa letra de 'Heart of Worship":

Quando o som se vai
Não há mais nada prá fazer

Me achego a Você

Quero lhe trazer algo de valor

Prá Lhe agradecer

Mais que uma canção Lhe trarei

Uma canção por si só

Você não espera de mim

Você me sonda Senhor, e eu não posso me ocultar

Você vê o meu coração


Eu volto á essência da adoração

E a essência é Você, a essência é Você Jesus

Perdoa tudo o que eu fiz prá mim

Já que a essência é Você, a essência é Você Jesus


Rei de tal valor, ninguém pode expressar o quão digno és

Pobre e fraco eu sou, e o que tenho é tudo Seu

Mesmo o respirar


Maurício "quero focar nessa Essência" Boehme

Pregador Maluco Pregando a "Bibra"

Tem cada uma nesse mundão! Depois reclamam que a gente critica os "crentes"... Ninguém merece tanta baboseira junta.


sexta-feira, 13 de março de 2009

Sou interessado, mas também sou interesseiro


Tenho que reconhecer que sou interessado em Jesus. Tenho curiosidade em saber o que se passava em sua mente. Sua ironia me apaixona, e suas tiradas aos fariseus e religiosos me fazem pular de alegria. Tenho interesse em saber mais sobre a Sua pessoa. Tenho interesse em fazer parte da "Sua" turma de amigos que revolucionam o mundo. Tenho um profundo interesse em desfrutar do poder sobrenatural que Ele disse que daria aos que Lhe seguissem. Ah, como me interesso por suas Palavras, elas são demais! Tenho interesse em levar mais pessoas até Ele, e discipulá-las e fazê-las mais parecidas com o Mestre. Eu reconheço que esse meu interesse me faz buscá-lo cada dia mais, e sinto-me fortalecido por essa busca. Percebo que esse interesse se dá pelo que Ele é, e não pelo que Ele pode me dar ou fazer. Sinto por aqueles que não se interessam pelo Caminho...

Mas por outro lado me envergonho por ser profundamente interesseiro. Sim, o mais vil dos interesseiros. Confesso que muitas vezes, mesmo que inconscientemente, me achego a Ele mais interessado em suas mãos do que em Sua própria pessoa. Sinto vergonha porque nem sempre me interesso por quem Ele é, apenas pelo que Ele pode me dar. Quando assumo esse papel, torno-me interesseiro. Bênçãos, favores, fama, realização pessoal. Tudo isso ás vezes se passa pelo meu coração. Sou tentado a usurpar de um lugar de destaque ás custas da fé. Torno-me desprezível, pois começo a inverter os valores e a perder o foco.

O meu desejo sincero é de me achegar a Deus pelo que Ele é, independente do que Ele possa me dar ou fazer em minha vida. Quero ter prazer em estar com Ele, e não somente de desfrutar o que Ele é. Quero ser mais interessado, e menos interesseiro.

Mauricio "interesses conflitantes" Boehme

quinta-feira, 12 de março de 2009

Pregando o Evangelho sem usar as palavras


Faz um tempo eu sinto Deus me incomodar acerca de algo: a pregação do Evangelho sem o uso das palavras. Você pode se perguntar como isso é possível, pregar sem usar as palavras? Sim, é possível. Aliás, é necessário!

Chego á conclusão de que o Evangelho tem sido suficientemente pregado, mas não vivido o necessário. Essa é a grande diferença: pregar ou viver o evangelho. O que deveria ser uma condição permanente dos cristãos (viver) tem sido uma opção. Os líderes tem difundido a idéia de que precisamos pregar cada vez mais e mais o evangelho, e estão certos. Mas falta-lhes a ênfase no discurso de que junto com a pregação devemos viver essa mensagem!

Veja a parábola do Bom Samaritano. Os religiosos (o sacerdote e o levita) são aqueles que via de regra deveriam ter acudido o homem ferido. Mas a religião que eles tinham era falha: baseava-se apenas na pregação e não na vivência, na ação. Foi preciso passar um desafeto, um samaritano, para acolher aquele homem. Sim, um samaritano! Alguém que tem profundas discordâncias com os judeus, justamente a diferença religiosa! De todas as diferenças, as religiosas são as que mais tem causado estrago, e justamente o samaritano deixa de lado tudo isso e vive o seu evangelho na vida daquele homem ferido.

Que tal se a nossa pregação fosse acompanhada radicalmente da nossa atitude? Que tal experimentarmos pregar o evangelho em silêncio, sem palavras, com ações? Será que as pessoas conseguem ver em nós o exemplo de Cristo mesmo sem proferirmos as palavras? Sim, porque o bom samaritano fez isso. Não pregou, não decretou, não falou nada... simplesmente viveu, agiu!

"O que você faz fala tão alto que eu não consigo ouvir as suas palavras".

Mauricio "de bico calado" Boehme

terça-feira, 3 de março de 2009

Que mi(ni)stério é esse? Parte 2

Faz um tempo eu publiquei um artigo chamado "Que mi(ni)stério é esse?", criticando o pessoal que usa o nome de "ministério" prá ganhar uma grana ás custas do povo de Deus. Nesse artigo eu citei um pessoal que fez um trabalho legal na Nicarágua, num lixão chamado "La Chureca". Segue abaixo o vídeo desse trabalho. Note a poeira, os urubus voando ao redor do lixão e a pobreza da turma... Isso é MINISTÉRIO. Ah, o cara de camisa amarela cantando é o Dani Distler, meu amigo e ex-vizinho...
Quem quiser conferir no YouTube, aí vai o link: http://www.youtube.com/watch?v=zVksSoNcTRo.




Para ler o artigo original: http://eletroacustico.blogspot.com/2008/08/afinal-que-ministrio-esse.html