terça-feira, 24 de março de 2009

Vivo o Céu, mas com os pés no chão.


Equilíbrio. Creio ser esse o grande valor de nossas vidas. É como andar: parece fácil, corriqueiro, uma ação banal até. Nem sequer nos damos conta que somente andamos corretamente por causa do equilíbrio.

Desequilíbrio. Sabemos que ele existe quando começamos a pender de um lado para o outro e a queda se torna inevitável. O desequilíbrio pode se dar por algo interior (a famosa labirintite), ou por algo externo (álcool, medicamentos, etc).

Na vida o equilíbrio é essencial, e o desequilíbrio dispensável. O meu grande desafio tem sido viver uma vida equilibrada emocionalmente, financeiramente, espiritualmente, e todos os "mente" possíveis. Tento viver com os meus olhos lá no Céu, sabedor que sou de que o meu destino é lá; mas tento deixar os meus pés bem plantados no chão, ciente que sou da minha humanidade e minhas limitações.

Se eu viver com os olhos postos exclusivamente no Céu me tornarei fanático. Passarei a espiritualizar tudo, começando a ver anjos e demônios em todas as coisas. Corro o risco de me tornar insensível para com tudo e todos que estiverem ao meu redor, dizendo ao faminto: "Deus te abençoe", ao invés de lhe dar o pão. Perderei ricas oportunidades de interagir com o mundo e a cultura ao meu redor, deixarei de conhecer pessoas maravilhosas e não experimentarei as riquezas de viver a vida que Deus me deu na Terra que Ele criou. Como alguém que tem sua vida focada somente no Céu, todo o meu tempo fatalmente será gasto não com Deus, mas com a religião e todos os pacotes de tarifas que a acompanham. Serei desequilibrado.

Se eu viver apenas com os meus pés no chão, serei friamente calculista e sem esperança. Sim, pois do jeito que o mundo vai não há como crer que as coisas melhorarão. Tudo se reduzirá a cálculos, planos, e passarei a achar que se eu regular corretamente o GPS da minha vida, nada poderá me desviar da rota traçada. Serei o mais pobres dos mortais, achando que todo o controle está em mim. Serei mais uma vez desequilibrado...

Creio que a saída é viver o Céu, mas com os pés no chão. É olhar a vida como ela é, mas com os óculos da fé. É ver que o aquecimento global cresce, mas o fim do mundo não se dará da maneira como muitos falam. É saber que as pessoas são más, mas que existe um poder maior que pode agir em seus corações, mudando seus atos. E assim eu vou... vivo o Céu, mas com os pés no chão! Busco em Deus e na sua Palavra o equilíbrio necessário para a vida. Sei que somente Ele pode me dar o prumo necessário, traçar a linha reta e me fazer andar corretamente.

Maurício "o equilibrista" Boehme.

Esse post foi escrito ao som do Dunga, "Compaixão", cujo refrão diz: "vivo o Céu, porém com os pés no chão...".

Nenhum comentário: