segunda-feira, 5 de abril de 2010

Na sexta eu choro, No domingo eu me alegro,


Na sexta-feira há um clima pesado. Muito pesado. O cheiro de morte ronda o ar, e a apreensão e a angústia começam a fazer morada no meu coração. Sei que a hora da Sua partida está chegando, e como Ele havia nos dito, vai nos deixar. O sentimento é de abandono, solidão, derrota e despreparo. É sexta-feira. É dia de chorar e prantear. Parece que tudo o que Ele construiu acaba de ruir como um castelo feito na areia. Todas as promessas, todos os milagres, tudo o que ensinou... parece que nada mais faz sentido. Porque tanta dor e desapontamento? Porque é preciso que os meus olhos se encham de lágrimas assim? Porque? Não encontro respostas... São dias intermináveis de completa desolação. Estamos perdidos, sem saber o que fazer. A Sua ausência tirou-nos a vida! Nada faz sentido sem Ele! Meio que anestesiados, tomados de um sentimento de medo misturado com decepção e algumas gotas de vergonha, tentamos prosseguir. Mas, para onde ir? O que fazer?

Chega o domingo, e a notícia de que Ele está vivo! Sim, vivo! A esperança volta a nascer em nossos corações. Agora as coisas começam a fazer sentido, e as Suas palavras começam a se encaixar, como num grande quebra-cabeças. Como Ele havia dito, realmente a morte foi derrotada pelo Seu poder, e o fato de ter ressuscitado é a prova incontestável de tudo isso. Agora não me sinto só, desamparado, abandonado. Ele está comigo novamente... aliás, Ele nunca me deixou!

Na sexta eu chorei pela perda, mas no domingo eu me alegro pela sua Vida! Isso tudo me faz pensar que a vida é assim: para desfrutarmos da alegria da ressurreição precisamos passar pela tristeza da perda. Se a semente não morrer, não produzirá. É assim que funciona a dinâmica do Seu Reino: preciso crer para depois receber; preciso colocar os pés no mar para que depois ele se abra; preciso chorar para depois receber o consolo.

Obrigado Jesus pelo seu poder e ressurreição! A Sua vida me faz viver, e olhando para o Seu imenso poder sou levado a Te seguir!

"Hei dor, eu não te escuto mais; você não me leva a nada... E se você quiser saber prá onde eu vou, prá onde tenha sol, é prá lá que eu vou..."

Maurício "já não me sinto só" Boehme

Um comentário:

Shirlei disse...

Gostei demais!!
Texto reflexivo, profundo e nos anima a correr para onde haja sol, brilho, calor.
Dizer um basta ao tempo escuro, abrir a janela e deixar brilhar a luz de um nova manhã.