segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Meu nome é Pedro. Estou afundando.


Prazer, meu nome é Pedro. Sinto por você me conhecer nesse momento delicado da minha vida, mas infelizmente as coisas não saem sempre como a gente planeja. Agora por exemplo, estou num dos momentos mais difíceis da minha vida: estou afundando no mar, prestes a morrer.

Eu sempre me achei "o cara". Sempre fui muito seguro e tenho aquela tendência forte de achar que posso controlar todas as coisas, e ás vezes, até mesmo as pessoas. Reconheço que tenho o que vocês chamam de "gênio forte". Sou teimoso, e não escondo de ninguém o que sinto: se gosto, você sabe. Se não gosto você também sabe de cara. Comigo não tem esse lance de hesitação, medo nem duas palavras. Acho que tudo isso tem seu lado bom, mas agora nesse momento vejo que me dei mal como nunca antes havia acontecido.

Estou no barco junto de meus colegas, e estamos atravessando para o outro lado do mar. É noite, faz frio e chove muito forte. O vento faz com que o frio seja insuportável, e dentro do barco todos estamos ansiosos prá chegar em terra firme. O barco se agita e confesso que tenho medo, muito medo, apesar de ser pesacador e conviver com o mar desde cedo. Sinceramente, me sinto perdido e confuso, pois todos se dirigem a mim esperando uma decisão.

Agora, quando penso que as coisas não podem piorar, eis que vejo algo incrível! No meio da tempestade toda, parece que um homem vem caminhando por cima das águas. A moçada que está comigo no barco se assusta, e todos pensam ser um espírito, ou um fantasma, e começam a gritar desesperados. Eu não sei se tenho medo, mas algo me deixa sossegado. Parece ser Jesus! Ele está andando por cima do mar no meio da tempestade! E mais, Ele me chama, e um fogo intenso toma conta do meu corpo. Tudo o que eu mais quero é pular daquele barco e ir ao encontro do Mestre. Nesse momento eu esqueço da Física, da gravidade, das leis naturais e dou os primeiros passos em cima das águas. É incrível! Eu sou demais! Aliás, sempre tive essa certeza, de que eu era especial! Estou andando, enquanto os demais estão morrendo de medo. Mas alguma coisa começa a dar errado. Faz frio, muito frio. A água gelada bate no meu rosto, o vento forte tira o meu equilíbrio. Por um momento eu vejo o que realmente estou fazendo... Tiro os meus olhos de Jesus e começo a reparar na cena na qual estou envolvido. Começo a afundar. Começo a me preocupar pois já não estou tão bem quanto antes. A água está pela cintura, meu Deus onde fui me meter? A tempestade é forte, O barco está longe e Jesus também. Nessas frações de segundo eu vejo toda a minha vida passar diante dos meus olhos. Foi prá isso que Ele me chamou, para me deixar morrer afogado? As águas estão no queixo, e mais rápido do que eu posso imaginar, estou submergindo. Você imagina o que é ficar sem ar, desesperado? O meu instinto básico é estender as mãos. Sinto que outras mãos envolvem as minhas. São as mãos de Jesus. Não vou perecer, Ele me socorre. Quando tudo parecia perdido, Ele surge e me salva!

Agora estou seguro, no barco. Todos estão em silêncio, esperando o que vai acontecer. Nesses poucos segundos eu chego a muitas conclusões sobre a minha vida. Vejo que não sou tão "fera" como pensei. Sou frágil, sou perecível. Eu quis mostrar que era cheio de fé, mas na verdade queria mostrar a todos que confiava em mim mesmo. Quando dei por conta da gravidade da tempestade, afundei. Desviei os meus olhos do Rei e me perdi. Mas Ele não desistiu de mim. Ele não passou a minha vez para outro. Ele não me condenou. Ele me socorreu, e me conduziu ao lugar seguro.

Esse sou eu. Esse é Jesus. O contraste entre nós é evidente. Eu não sou nada sem Ele. Ele é tudo em Si mesmo. Prazer, meu nome é Pedro. Estava afundando, agora estou vivendo.

Mauricio "meu nome também é Pedro" Boehme.

Esse texto foi escrito baseado na pregação de Milton Lucas no texto de Mateus 14, no dia 30/10/2011 na Vineyard Piratininga.